terça-feira, 22 de outubro de 2013

E por falar em fada do dente...


Aprendi a ver o sorriso da Alice como se fosse o meu, minha alma sorrindo e acho que senti mais apreensão em vê-la perder seus dentinhos que ela mesma. No primeiro dente a ser trocado pensei que ia morrer de tristeza, coisa de mãe louca, mas Freud explica, acho que ao ver que ela ficaria algum tempo sem dente pra mim representava a falta do sorriso que não me iluminaria alguns meses, como se ela não me fizesse sorrir de outra maneira, pois só de olhar seus olhos eu sorrio por dentro, mas  mesmo compreendendo que esta é uma fase natural da infância me dói ver que ela troca os dentes de leite, e sinto uma dor  profunda pela falta de " sorrisos", deve ser mesmo medo de vê-la crescer e soltar sua alma que faz a minha sorrir
quando fica bem juntinha  (Lágrimas)

Acaba de ser lançada a edição de nº 16 da Revista Casamentos e Festas, na qual tenho uma página para escrever meus registros e poesias, pensamentos e segredos, artigos sobre educação e família e aventuras e as desventuras de se tornar mãe. Venham ver a revista  digital completa aqui http://www.revistacasamentosefestas.com.br/revista/

E aproveitem para ler esta minha colaboração 




E Por falar em fada do dente

Aqui a vida corre solta, o amor em desvelo, a ternura em simples desassossego, nada estanca, nada fica parado em  seu lugar.
É vida em movimento, é o tempo se revirando dentro da gente e nos transformando em mil sensações.
Como mãe já vivi quase sete anos de cabelo é pé por muitos medos, medo de não ser boa mãe, de não saber cuidar, de não amar o suficiente, de ver o filho crescer logo e me deixar.
Fui demasiadamente mãe perfeccionista, ou dura, que impunha  horários, costumes, regras e caminhos, e paguei alto por isso, vendo que nada na vida é seguramente perfeito, que nada pode ser nela totalmente aceito e rotineiro, e que muitas vezes as coisas dão errado, e é no erro que a gente aprende e nessa aprendizagem não há o melhor, o mestre da verdade, o grande e o pequeno: Mãe e filhos aprendem juntos e crescem e a vida se vai depressa e singular.E principalmente o planejado pode não dar certo, e a gente precisa a voltar de onde partiu, levantar de onde caiu, despertar de um sonho e colocar os pés na realidade e lutar.
O tempo aqui em casa passou brevemente desde que a primeira visita da fada do dente se anunciou, foram dias de chororô por achar que faltava algo no sorriso inocente de minha criança, ou não seria a dor da falta de sorrisos na minha criança interior? Era como se faltando um dente , levassem de mim uma parte do anjo que eu gerei, e o tempo gritasse eloquente: Cresceu, voou.
Não queria e ainda não aceito totalmente  tamanha liberdade, onde abraços e laços vão se desfazendo, mesmo sabendo que a gente nasce pra ser do mundo e fazer nele a nossa história onde cada um caminha a sós, mesmo rodeado de tanta gente.Mas tenho aprendido a não mentir a mim mesma, e amar aos poucos ou totalmente de acordo com a ocasião,  fortemente e  levemente num sussurro, num beijo, num contar histórias, num dar adeus na porta da escola, num olhar e num eu te amo que se demora.E bravamente quando preciso ser dura e dizer que bastou.
A fada do dente já não me deixa dores, ainda que deixe um vazio, uma certa insegurança, uma noite de insônia  a olhar para o futuro e pensar como será o amanhã quando meu anjo crescer as asas e voar por ai.
Confesso que já deixei a fada ir embora sem deitar sobre o travesseiro moedas e sentimentos, sem esperar consentimento, e  apenas dormi sem pensar, sem imaginar, sem chorar. Deixei  que ela partisse ás noites sem levar sentimentos de perda , de dor e tristeza ,mas meu desejo de que logo retorne e faça brotar mil sorrisos principalmente na minha alma que anseia amar, aprender a educar, aprender a viver  como mãe  e também a apensas viver o ciclo que nos oferece a  vida.Amar e só.

Paula Belmino (mãe coruja da Alice)

4 comentários:

Minéia Pacheco disse...

Oi Paula,

Lindo texto, realmente, coisa de mãe coruja.
Quando os primeiros dentes do meu garoto começaram a nascer, me vi louquinha de alegria e desde muito cedo comecei a cuidar, escovar regularmente, levar a odontopediatra... Mas quando ele estava na escola, sofreu uma queda quando nem tinha 2 anos ainda e esta queda deslocou o dente superior, deixando-o com o passar do tempo, escurinho. Nossa, fiquei muito triste, tinha tanto cuidado, tanta atenção com os dentinhos dele, e aconteceu uma coisa dessas, mas isso me serviu de lição e me fez perceber que nem tudo é como a gente quer, como sonhamos. Este ano enfim este dentinho caiu, dando início a um novo, lindo e perfeito dente. Não fique tão triste ao ver os dentinhos de Alice cair, faz parte da vida, faz parte do crescimento dos nossos filhos, eles caem para outros lindos poderem nascer.
E ela ficou mais linda ainda de janelinha!!!

Beijão para vocês, fiquem com Deus!!!

✿ chica disse...

Lindo demais,aulinha! Adorei ler !E eles ficam lindos com ou sem dentinhos! beijos,chica

Bel Bareicha disse...

Sempre sensível e profunda suas reflexões às mudanças do crescimento da Alice!!;)

Maurélio disse...

ADOREI A FADINHA DO DENTE, MARAVIHOSO LOOK PAULA,beijos