segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Um lobo mau diferente







De praça em praça
Com graça
Os três porquinhos passeavam
Junto com eles 
a Chapeuzinho Vermelho
Doces e frutas na cestinha
Pra vovó logo ia deixar
Mas antes os livros a ler e brincar
Os amigos conversavam
E falavam de um tal lobo
Um lobo mau
De quem todos sempre e sempre
Em todas as histórias fugiam
Ninguém perto dele queria chegar.




O Tal lobo temível e terrível
Sempre a oferecer perigo
De tal modo era constrangido
Pelos porquinhos
Pelos príncipes e princesinhas
Pela vovó da Chapeuzinho.
Um lobo feroz
Com dentes e unhas afiados
De longe parecia sempre observar
Queria brincar




E o que seria  verdade?
O lobo mau não podia explicar
Porque tanto medo causava
Por sua aparência e índole de mau
O certo é que na roda de brincadeira
Das festas queria participar
E amizade com todos começar.
Mas como essa história findará?


Paula Belmino

Inspiração em nossa contação de histórias na ação de incentivo à leitura na praça pública com o livro: Este é o lobo de Alexandre Rampazo pela editora DCL
Além de falarmos sobre os medos infantis, as crianças puderam dar suas impressões sobre a história, encenar e brincar
Olhem que linda a Chapeuzinho Vermelho Hadassa que usa Capuz que faz parte do pijama da Dedeka, empresa parceira sempre a nos apoiar nas ações de promoção de uma infância saudável, e logo mais conto mais aqui.


Contamos a história tradicional da  chapeuzinho vermelho onde as crianças puderam ler e brincar com este livro almofada e depois fomos fazendo as analogias de outras histórias inspirada nesse conto dos irmãos Grimm






video

Mais sobre o livro:



  • Autor: Alexandre Rampazo
  • Assunto: Literatura
  • ISBN: 9788536822341
  • Idioma: Portugues
  • 1 edição 2016
  • BROCHURA COM VERNIZ | 56 PÁGINAS | 15X29CM

Sinopse

Quem  viu histórias com o lobo? Quem já viu histórias sobre o lobo? Em "Este é o lobo" descobrimos uma das faces desta figura que tanto  causou medo em muitas 
históriasAquiele aparece como personagem principal e revela mais sobre nós mesmos do que dele. Um livro com ilustrações delicadas e sensíveis que surpreende e provoca reflexões!

domingo, 19 de fevereiro de 2017

BUGBEE KIDS | Inverno 2017




No campo entre as flores 
crianças a brincar
São delicadezas da natureza
Pássaros a conversar

Ao som do amor
Falam de paz
E a vida segue colorida e em festa
Crianças e animais
Juntos contam segredos
Cantam a vida 
E fiam histórias
Belos momentos 
Pra se guardar na memória.

Crianças e seus brinquedos
Bonecas de pano
Cavalinho upa-upa
Vassouras que voam
E as estrelas podem tocar
Outra vez no riacho se banham
Sempre livres no faz de conta sonham

São fadas
São borboletas
De tudo que querem ser
Livres para brincar com a terra
Subir nas árvores


Árvores que a infância espiam
E ofertam cheiros e sombra
Doce companhia
Momentos de empatia
E a vida assim é pura poesia

A vida no campo tranquila
É paz que se anuncia
Na semente que germina
No fruto que adoça o paladar
Nos animais que vivem livres como as crianças a brincar.

Paula Belmino




 A Bugbee acaba de lançar sua coleção verão cheia de inspiração e colorido, remete ao vintage , ao descolado dos looks dos anos 70 com bossa e um olhar pra natureza, que vai do hippie ao folk com clássicas mangas sino e calças flares super confortáveis.
A pegada na moda urbana com print de bichinhos são o hit da coleção que tem algumas inspirações para as meninas:




GIRL GANG

O tema surge da onda de empoderamento feminino, trabalhado em uma pegada street divertida. É o poder das garotas! Fofas mas fortes, elas formam uma gangue que pode mudar o mundo! Girl Gang se inspira no movimento underground do Hip Hop, na inteligência das meninas, e na ideia de que “azul” não é só para meninos, fazendo surgir três famílias de produto.
A família Hip Hop busca a auto expressão, trazendo música e frases encorajadoras, mostrando que as meninas são fofas mas fortes. A família Clever traz a inteligência das meninas brincando com o símbolo da coruja, com os balões de fala de quem tem opinião, e com os patches, que há muito são símbolo de auto expressão e personalização. Já a família Sneakers, mostra o lado cor-de-rosa em harmonia com o azul, que são só para meninas de personalidade forte - aquelas que adoram um tênis bem confortável pra andar de skate, seja ele estampado de flores ou não.

 A coleção
OH, SIMPLE LIFE! traz um clima de romance dos campos e jardins, das plantas desabrochando nas fazendas e sítios, parques e onde a natureza possa existir:




O caminho para a felicidade é de estrada de chão. A vista é linda, tem florzinhas do campo, borboletas voando e muita diversão. Ah, a vida simples no campo! Tem noite estrelada, campo de flores, bichos da fazenda e boneca de pano.
O azul profundo do céu à noite com o colorido do campo cheinho de flores faz surgir a família de produtos Flores do Campo. A ideia de aproveitar as pequenas coisas da vida, as flores, as borboletas e os animais inspiram os produtos. A boneca de pano vem estampar a família de produtos Dolls, que traz a delicadeza e a diversão das brincadeiras simples. Texturas de tricô e renda ilustram a vida simples do campo. A família de produtos Raposas, por sua vez, brinca com o selvagem tendo a raposa como protagonista. Uma atmosfera folk surge com mangas amplas, modelagens soltas e aviamentos específicos, com cara de artesanal. Ah, quem não ama a vida simples no campo?


 E por fim a tendência:
GYPSY CAMP 




           
Seja bem-vindo ao acampamento cigano das garotas Bugbee! Esse é o cenário perfeito que inspira a nova coleção de inverno. O estilo de vida dos povos nômades e o contato com a natureza, traduzem o espírito de liberdade desse tema! Assim como a década de 70, que aparece com uma pegada folk,  presente da modelagem à estamparia.
Um olhar mais atento para a natureza garante novas inspirações, sendo assim, os animais peludinhos como o coelho e o gatinho foram transformados em lindos motivos para os prints. Os cavalos também merecem destaque e formam uma charmosa padronagem camuflada. E para completar o time, o xadrez em salmão + caramelo vem acompanhado de corações para deixar tudo mais romântico!


Na modelagem, as peças tem-que-ter são a saia A, a calça flare, as blusas com manga sino, a salopete, o cardigan e o vestido com capinha. Entre os tecidos, o destaque está no Veludo Molhado que recebeu a sublimação “Rabbit", no Suede, no Matelassê Trançado, além da versão sintética do Pelinho. Esse último foi usado para criar peças inteiras com o bolero e a saia e como detalhes em combinação com outros tecidos.
Para decorar as peças, não poderia ficar de fora o lace-up, o entremeios e as franjinhas que deixam o visual com um ar setentinha. As cores terrosas como o caramelo, o laranja e o bordô ganharam destaque valorizando um certo naturalismo!
Embarque nessa caravana e venha descobrir o mundo com a gente!





·      Masculino

UNDERGROUND

A cena urbana é a inspiração deste tema. Prédios, arte, rodas e música criam uma atmosfera moderna e cosmopolita. O skate e a bicicleta aparecem como meio de locomoção e lazer dos meninos nascidos na cidade, ilustrando estampas localizadas. A arte de rua surge em frases, graffiti e artes das camisetas com texturas ricas de tinta e muita cor. A música também aparece representada por headphones e mixtapes. Tudo em meio a modelagens confortáveis como calças jogger, que tornam o cool ainda mais sensacional. Estilo com conforto.

HIT THE ROAD

Pé na estrada! Pega um mapa e não para.
A road trips são a inspiração desse tema, onde o desapego e a curtição das pequenas coisas da vida é o que move. Acampar na praia, ou no meio do mato, fogueira acesa, barraca montada e o cachorro do lado. Fotos de carro na estrada, moto, letreiros de placas, camping, pinheiros, florestas e lindas paisagens ilustram as estampas localizadas. As modelagens são confortáveis, de malha e sarja, e surgem às vezes utilitárias, como na parka e na falsa jaqueta jeans, como um look “pé na estrada” pede.




Espiem o vídeo:


Brincando com a Chica (leitura)


                                                    1- A leitura é semente em terra fértil.



                                        2- Com  leitura tecemos e transformamos  a vida.


                                 3-  Leitura é inteligência emocional que torna humano.



veja a leitura como chave mestra para mudar a nós, ao mundo. A leitura cura, sara, salva de tudo que se pode ser salvo.
As imagens de nossos momentos importantes de leitura na praça que tenho promovido com as crianças para entrar nessa brincadeira da Chica no blog Sementes diárias  que consiste em criar frases usando SETE palavras 

A palavra da semana é:



Participem também!!!


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Versos de Nem-Te-Ligo (Dica de livro)



Oh! Quão ternas as manhãs que se abrem
Desfiando sons e cheiros
Café pilado, passarinho assoviando,
Que canta ao sol e brindam festeiros.
Os cafés celebram as
Manhãs delicadas e rubras de vida.

Oh! Quão gentis são os dias que se abrem nos livros
Os contos de fadas
Os poemas que falam de pequenos insetos
De tempestade, e de brincadeira
Versos que falam ao coração
E dão sentidos aos momentos felizes
Palavras ao vento
Palavras na mente
Gentis!

Oh! Quão profundo são os livros
Lidos nessas manhãs que se abrem
Em praças debaixo das árvores
Um passeio pela natureza a brincar de verdade
E com borboletas, abelhas, aranhas que tecem
Vão na poesia fiando a vida
Nessa leitura que a manhã floresce.

Paula Belmino




Nossas manhãs por aqui ainda de férias, têm sido regadas de ternuras,e olhar atento às coisas da natureza.
Nessas manhãs ocupo as crianças com poesia, e mesmo quando vamos para algum lugar  levo comigo os livros para que leiam, e percebam que o melhor lugar para se estar é na poesia, é morar nos livros.
Chegou por aqui o livro de Maria Helena Zancan Frantz: Versos de Nem-Te-ligo pela Editora Physalis
Um livro cheio de versos delicados que vão desde o brincar com as palavras, até o mais reflexivo sentimento de cuidado com o meio ambiente, sem pretensão de didática, sem imposições, sem presunção.Versos que fazem as crianças recitar, brincar e lembrar brincadeiras e momentos deliciosos como a hora do banho com espuma, a hora de dormir com histórias, o subir numa árvore, a rotina da semana.
Alguns poemas lembram travadinhas, trava-línguas, ou parlendas, vão dando sentido à hora da leitura às brincadeiras cantadas e sonhadas, e resgatando a oralidade popular, as cantigas, lembrando dos mais simples momentos em que a mãe ou pai, ou avó brincam de advinha com os filhos-netos. 
Um livro repleto de sonho, de invencionices, de imaginário popular, de agrupamento de sentimentos que almejam paixão pela infância, lúdica, pura, brincante.
Um livro para se dizer que é dever de todo responsável e educador ler para uma criança, pois que é direito dela, ter acesso ao livro que brinca, que educa pela linguagem poética, sem pretensões, apenas a de ser poesia plena, levando dela a melhor função: o de poetizar para humanização, sensibilização, e  mais que isso. para ver como ver o poeta.



Maria Helena brinca com rima, usa muita sonoridade e incorpora ações do dia-a-dia e  faz dos versos de Nem-Te-Ligo assunto sério, afinal escrever para criança é fazer poesia de qualidade.







Sobre a autora:



Maria Helena Zancan Frantz, Nascida em 21 de junho de 1948, em São João do Polêsine - RS, um lugarzinho poético, escondido entre montanhas.

Fez o curso de Letras na Unijuí (1975) e depois o mestrado na Alemanha, onde obteve o título de "Magister Artium" pela Westfälische Wilhelms Universität de Münster (1980).

Professora de Literatura Brasileira, já trabalhou com todos os níveis e ultimamente trabalha com a disciplina de Literatura Infantil no curso Normal e no curso de Letras da Unijuí.




Contato:

mhz.frantz@literatour.com.br 


Para saber mais sobre a autora e sua obra visitem o site

http://www.literatour.com.br/

https://www.facebook.com/Physalis.editora/?fref=ts

Rosas de amor


Flores que mergulham no sonho
Do desejo de ser amada
E ao ser acolhida no amor
Deveras encantado 
Florir das águas do passado
De um anseio na alma
Goteja em lágrimas enamorado
O sonho de ser possuída em paixão
Buquê de rosas raras
O amor florido 
E perfumado
Alegra o coração apaixonado!

Paula Belmino


Essa foi minha participação no Brincar com Poesia da Chica : Botando a  cabeça para funcionar!
Para participar clica na foto abaixo:


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

A utopia da palavra (Dica de Livro)






As cordas de meu coração vibram uma palavra 
Que canta o indizível
No silêncio ali escondida 

De sentimentos mil a ecoar

Ali adormecida e grávida  desponta
Uma melodia viva de empatia
De tessituras mil
Os anseios do mundo
Sons de pássaros que voam longe e aqui
Uma palavra absolta e gestante
Quer dar a luz
E iluminar os sonhos das crianças
Os anseios dos mais velhos
Traduzir o perfumes de flores raras que já dormem
E germinar plantas novas.
Há uma palavra nas cordas do coração que encanta
E rompe o vazio de meu eu
Tornando linguagem plena, ali envolvente
o amor.


Paula Belmino
.
Poema criado agora com inspiração nesse livro maravilhoso de Severino Antônio pela Editora Adonis que recebemos no #PoesiadoBem .



O livro faz um apanhado de poesia e reflexões sobre o uso da poesia como encantamento, como geração de vida, em que a palavra é fonte de expressão, mostrando que a linguagem é natureza e cultural, parte de nós, carne e sangue, a alma aberta a expressar e sentir. Assim a poesia que está em tudo se materializa no poema e nele abre constelações e multidão de sentimentos, e que por ser uma explosão, bem mais que inspiração o poema necessita de silêncios para conversar conosco, além do que mais que ouvir e ler é necessário conhecer e conviver com os poemas.
De maneira magistral o autor dispõe em sua fala o quanto somos necessitados de poesia para viver, afinal somos inteiramente linguagem desde a nossa formação, retomando a própria formação do homem no Édem.
Severino Antônio escreve com sutileza e sonho, permeia por canções e poesias citadas em cada capítulo abrindo a  visão e a alma, levando a gente a pensar no quão importante é ver a poesia em todos os lugares e dela retirar a palavra utópica, usual, mas que transforma, modela, cura e faz sonhar.
Um livro para ler devagarinho saboreando cada frase  e sentindo a fundo toda magia que a palavra poesia gere em nós, no que diz o escritor a raiz da palavra é a poesia.
Ainda no livro reflexões de como o poema é produzido , arquitetado , ou numa criação mágica que mesmo assim em assombro se faz , e necessita de estudo, de uso de pensamento lúdico, e de que o poeta não procura em uma relação adjetivos que o componha, a não ser se muito ruim o poema, mas que sente primeiramente a poesia da vida a ser assim linguagem que mora ali dentro de si e invade a quem ler.

Com apresentação de Rubem Alves que cita dois tipos de livros: primeiro os livros que são lidos e os são lidos para sempre, e segundo os livros que são raros, nunca terminados pois a gente ler e retoma, sempre ler outra vez, e foi isso mesmo que senti ao ler esse livro: A utopia da palavra .Educação, linguagem e Poesia: Algumas travessias, eu li, reli, comi e me alimentei, e senti fome , sede de atravessar com o autor por novos campos da palavra e do sentimento que a poesia nos traz.
Estou simplesmente apaixonada pelo livro e aconselho a qualquer educador, poeta e amante das letras a fazer o mesmo: Voar no livro!

Mais sobre o livro:



Constelarmente pensada e escrita, esta obra-tessitura, de diálogo com muitas vozes, tem agora uma nova edição, ampliada.
À primeira edição, há muitos anos esgotada, acrescenta-se um novo prefácio, de Regiane Rossi Hilkner, e uma quarta parte, “Diálogos de criação”, com textos que dialogam com diferentes autores e obras.
Hoje, mais do que antes, suas teses centrais permanecem vivas: a concepção da poesia como raiz da linguagem e utopia da palavra, e a necessidade de poetizar o pedagógico, como campos primordiais da recriação de sentido e do reencantamento do mundo – questões vitais de nosso tempo.
  • Preço de capa: R$50,00
  • ISBN: 978-85-7913-311-4
  • Ano: 2016
  • Edição: 2ª
  • Número de páginas: 190
  • Formato: 15,5 x 22,5cm
  • Escritor: Severino Antônio
  • Classificação: Formação

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Momento literário no Abrigo Monsenhor Paulo Herôncio






É dom da poesia
apertar a mão que da lida
Por anos a fio o amor semeou
Na tenra idade trabalhou 
E todavia o tempo, que não se solidariza com nada
Deixou as marcas
Adiantando a estrada
E na vida o cansaço implantou.
É dom da poesia alimentar, prover, fazer sonhar.
É dom da poesia acolher
Aqueles que são como os pássaros
Alados em sonhos
Em histórias fabulantes
Em experiências vividas, ali dentro deles 
embora tão distantes
No coração  a guardar feito sagrado
O amor, ainda o mesmo como antes.
É dom da poesia acalentar
Guardar em paz os anjos que cantam
Os amigos que encantam
Os idosos em suas camas
A sonhar de novo seus mais belos sonhos
E a contar histórias para as crianças.
É dom da poesia envolver e abraçar
Ser alento e esperança
Ser cura e consolo em meio  ao pranto.
Fortuna aos desvalidos
Companhia na solidão
É dom da poesia levar um sorriso
E encher de alegria os olhos de quem ama
E a plena paz no coração.

Paula Belmino




Fomos visitar uma prima filha do irmão de meu avô com quem convivi minha infância e hoje se encontra em um lar de idosos,  há muito eu devia a visita, fui também no intuito de realizar o sonho e o pedido de uma senhora chamada Alice, no natal o abrigo de idosos de Currais Novos -RN, fez uma campanha pedindo alguns presentes que os idosos queriam, eram na maioria material de higiene, roupas, calçados, e chamou-me atenção o pedido especial de uma senhorinha cheia de sorrisos: um livro de poesia.

Como meu livro não havia sido lançado ainda deixei para quando estivesse em mãos e essa semana fomos lá, e qual não foi minha alegria, ver sua história, ela poeta nata, amante da música e das artes, e compartilhando seus sonhos comigo, ali conversamos com mais duas companheiras de quarto que ouviram poesia e oração em meu livro, e eu ali fui só plena alegria em poder levar amor e um pouco de esperança, boniteza e alento.
Alice se encantou com a sua xará e leu para ela e as outras companheiras, e prometemos voltar com mais tempo para ficar a poemar para os demais idosos do abrigo.



Que exemplo de vida aprendi, ali de um sorriso e almas francas, na velhice a solidão reparada por poesia e canção, sim ali um dos idosos tocava sua sanfona ao longe no pátio, e eu me comovi, me estreitei em ternura, e pude passar essa lição para a Alice e os primos que foram conosco crianças e idosos a conversar a transferir delicadezas e vida pura e simplicidades.
Esse é o dom da poesia florear, acalentar, cantar, ser cura e companhia, pois na leitura a gente viaja, no livro a gente sonha e se aventura, na poesia a gente materializa os desejos da alma mais profundos, é caminho, é bondade, é cura.

Vejam um pedacinho :




Vale a pena fazer uma visita e ouvir com tempo as belas histórias da Alice e suas amigas
Vale a pena ser solidário e levar mantimentos
Vale a pena fazer a poesia tomar vida levando alento e canção

O abrigo Monsenhor Paulo Herôncio está realizando um bazar e necessita de arrecadação d ealguns materiais para quem desejar colaborar:



Para entrar em contato