sábado, 22 de julho de 2017

Música e Poesia





Quando o espírito elevar-se em música
e junto com os pássaros entoar
um canto terno
expressando sentimentos bons
que evoquem paz
a natureza florescerá
ao som da luz
ao toque do amor
e tudo em volta se fará sinfonia.

Quando a música fluir
e todos os sons ao redor
 forem envolvidos num canto inédito,
dentro de si se fará silêncio
e  os ouvidos serão abertos
para o que é etéreo 
para ouvir o som da vida
a melodia da música
 cândida
na alma em festa!

Paula Belmino


Alice tem se dedicado a estudar música tanto aprender a tocar violão como a flauta doce e aqui no Projeto Primeira Nota , projeto social com apoio do governo municipal as crianças no Espaço Cultural, e na total dedicação e belo trabalho dos professores Francisco Aprigio e Francienio Luis e coordenadores têm levado arte, música, movimento cultural e poesia à infância num intuito de fazer a vida mais bonita garantindo oportunidade de aprender cultura e se expressarem, desenvolverem habilidades e talentos.
Ontem as crianças estiveram ensaiando e pude perceber o quanto elas tem evoluído, e deixando-se levar pela música que traz tantos benefícios para a sensibilidade, cognição, saúde emocional e física.
Vamos continuar seguindo esse caminho da música elevando-se o espírito e entoar louvores à natureza e ao Criador.

Vejam alguns vídeos:










quinta-feira, 20 de julho de 2017

Café com Leitura Na Escola Angelita Félix Bezerra




Café e Poesia
A poesia diária

Como bebida degustada 

Alivia a dor
trazendo pleno prazer e
alegrias.

É bálsamo, remédio, afeto.

Na alma se misturam os sentimentos 

À primeira hora
O café, o amor
Traz à vida sabor.

Em todo tempo se busca o sentido 

E realização ao

Prazer incontido.
Pra beber devagarzinho

A paixão aos goles, 

em burburinho.
Alimentando a boca e a alma:
_Um café, um poema, e muito amor por favor!!


Paula Belmino


*Poema inspirado no projeto literário Café com leitura realizado pela Escola estadual Angelita Félix, do qual pude participar recendo carinho em forma de apresentações dos jovens lendo e trabalhando alguns poemas de minha autoria no livro: Bem Poesia pela Editora Delicatta
Na ocasião houve a reinauguração da Biblioteca Câmara Cascudo que fica na escola aberta em tempo integral, e deve ser a fonte que alimentará a alma dos leitores, a bebida, a inspiração para seus deleites poéticos.

Com a presença da comunidade, professores e gestão os alunos pude falar um pouco da delícia que é se alimentar de poesia, sendo ela vida, e a palavra encarnada que gera transformação, reflexão. Em minha fala incentivei os alunos a continuar lendo, a viver a poesia em sua totalidade não apenas para distração ou estudo, mas sim para refletir, educar para a sensibilidade e humanização. Uma poesia viva, que na leitura diária, é café, é pão, alimentando a alma e nutrindo os sentimentos.



Meu poema Roda vida

Poema Bolhas


Pude também autografar alguns exemplares para professores e amigos e dar uma entrevista à RPTV












E com apoio da amiga Deborah Matt que está sempre semeando livros , recebi alguns exemplares que destinei no mesmo dia à biblioteca Câmara Cascudo, na escola, para enriquecer o acervo e prover inspiração ao público leitor!



Uma tarde maravilhosa entre os amigos, conversa, café e leitura:
A verdadeira poesia!!!

Para adquirir meu livro pelo site


Ou entra em contato que envio via depósito.


quarta-feira, 19 de julho de 2017

Retrato


Eis a alma 
lapidada pelo dissabor da vida
escancarada
estampada no espelho
com olhar resiliente.
Percorre qualquer linha do horizonte,
e se perde
entre as linhas finas  do rosto.
Já  não importa o que foi, ou o que será,
o que há de vir,
o desgosto.
No olhar, tudo tem destaque,
as  lágrimas, a dor, a saudade vivida,
um amor perdido.
O retrato no espelho
é alma aberta
calejada da vida
é ferida que nunca para de sangrar
é cicatriz!

Paula Belmino

O menino enrolado






O menino enrolado
nasceu como todos os demais
um menino esperto
de face e corpo aos outros iguais
Mas foi crescendo
apontando
pedindo, sempre se emburrando
querendo tudo pra si
e de tanto apontar
o braço começou a crescer
a se desenvolver.

O menino foi levado ao médico
exame daqui, examina ali
o que estava acontecendo
como um braço crescia tanto assim?

E ele foi se enrolando no próprio braço
no canto sentado, pois poderia cair
fechou-se por mundo
do quarto não queria sair.

Isolado, triste, sozinho
até que um dia na casa chega uma menina
chamada Gabriela
pediu permissão, até sorriu
fez mudança , trouxe a aquarela
invadiu a vida de Medhá
o menino enrolado

E a amizade causou a transformação
Como será que termina essa história?
Que poder tem sobre a gente um amigo?
A vida é mais bonita ao se ler uma história
e passar os dias com alguém querido!!



Essa é uma poesia que fiz para resenhar a história do livro: O menino enrolado de Paula Piano Simões com ilustrado por Ana Verana pela Caramurê, um livro lindo que fala de amor, amizade, sentimentos, conflitos, limites, e foi usado em nossa escola sendo lido pra toda turma do turno vespertino, fazendo as crianças refletir, repensar suas atitudes para com os amigos e conhecerem mais a si mesmas, pois esta é a função da literatura fazer refletir, adentrar o mundo que criamos dentro de nós mesmos e indagar , transformar, criar motivação e sonhar.


O projeto Saber ter e ser amigos que vivenciamos na escola anualmente mostra a necessidade de aprender a amar, respeitar, o valor das amizades, numa educação para a sensibilidade e para a humanização, uma das necessidades urgentes de que possamos incluir, acolher, respeitar as diversidades de pensamentos, ideias e do ser de cada um.

A escola precisa usar essa ferramenta da leitura literária para sem pressionar, sem impor e nem tanto pensar na escola apenas como formadora de conceitos e crianças que são apenas enciclopédias ambulantes, mas na prática da reflexão, na mudança de atitudes, na expressão de sentimentos que mudem e enriqueçam as relações humanas.
E foi isso que fizemos com este lindo livro, refletimos, encenado, ilustrado, conversa informal sobre o real sentido de uma verdadeira amizade.
Depois da leitura as crianças puderam abraçar seus amigos, dançar a dança do abraço, e viver os momentos de compartilhamento de sorrisos,afetos puros e doados.

Vejam as atividades das crianças em sala






Além dos desenhos continuamos nosso trabalho usando o livro didático que fala sobre convivência e usa o gênero textual de texto informativo em jornal que ainda continuaremos a produzir nossos textos e reflexões sobre saber ser e ter amigos!


Para saber mais do livro O menino enrolado

http://www.caramure.com.br/index2.php?pg=noticia&id=116

terça-feira, 18 de julho de 2017

Dica de livro: O que a Gabi e a flor de Lótus tem em comum?



Aprender enfrentar com entusiasmo a vida, as horas difíceis, e saber resolver conflitos, sair deles mais forte, essa é  a capacidade de aprender a esperar, a viver um dia de cada vez com positividade e ter a esperança de dias melhores, e  quando  viver a experiência , por mais dura que seja, sair contando vitória e trazendo lição de vida, que ajude a crescer e amadurecer.

Foi com essa justificativa de ajudar as crianças a compreenderem a si mesmas e o processo difícil de suas vidas, seja na vivência do luto por algum parente, seja na separação dos pais, ou na própria ausência de alguém ara conversar que levamos o livro: O que a Gabi e a flor de lótus têm em comum para a escola.
O livro foi escrito por duas psicólogas , Alline Teixeira da Silva e Mayara Techio pela Editora Sinopsys e conta a história de uma menina que ansiava ter um irmão, pois se sentia só, esse desejo se cumpre, mas por força do destino a mãe perde o bebê, e a menina que antes era alegre e tinha amigos, dançava balé, passa a sofrer demais, e se isola, não sorri, demonstra fragilidade e pouca força para lidar com a tristeza. é nessa hora que o pai conversa com a menina e conta a história da flor de lótus, que nasce num lugar inóspito e até feio para abrigar tanta beleza, mas apesar disso embeleza ao redor e é incapaz de se sujar, trazendo a lição de que podemos estar rodeados de dificuldades, mas podemos ver nisso uma lição, a paciência , o não desistir de lutar para realizar os sonhos, o olhar com otimismo as coisas, e assim ter a resiliência para vencer a nós mesmos e os sentimentos ruins. Resiliência é a capacidade de enfrentar as tempestades da vida e a força para sair de um problema e se transformar a partir dele.




A escola deve se apoiar de ferramentas lúdicas e de magia pra falar de assuntos sérios com as crianças,tais como perdas, e a poesia é uma dessas ferramentas que ajuda abrir o peito, se expressar e desabafar sem ser preciso magoar, pressionar, apenas sentir e viver.

A leitura foi feita para também iniciarmos  o nosso projeto da semana da amizade: Saber ter e ser amigo. E mostramos através da historia do livro que a  nossa família é de verdade nossa mais fiel amiga, e que nos pais, primos, tios, avós podemos encontrar a oportunidade para se abrir, abraçar, beijar, e assim poder contar com eles para crescer e desenvolver-se plenamente e ter a boa saúde emocional com os laços afetivos, afinal empatia, amizade, e amor andam juntos com a família.
As crianças criaram cartões desejando força a um amigo ou parente , fizeram a flor de lótus usando linhas curvas, conteúdo aprendido em matemática, e fizeram em alto relevo a capinha do cartão e dentro escreveram suas mensagens



Além dos cartões escreveram um pequeno texto sobre o que aprenderam com a história de hoje




A nossa roda de conversa  sobre amizade, perdas, luto, separação, teve o apoio do livro: O que a Gabi e a flor de lótus têm em comum?  e as crianças aprenderam sobre o que significa resiliência de forma interativa dando seus próprios exemplos.
Me surpreendi e fiquei plenamente feliz quando me disseram que na escola se sentem bem ao ouvir histórias e ler poemas. É isso mesmo a poesia tem o poder de educar as crianças para a sensibilidade e ampliar o conhecimento e desenvolver a imaginação e ajudar na formação da criança e tem sido uma bússola para as crianças  vivenciarem seus conflitos, aprendendo que é normal chorar, sofrer, sentir solidão, mas que nas história e na plena poesia, no olhar ao redor podemos ter bons exemplos de vida e de força pra seguir confiante que tudo dará certo.
A poesia é voo, é porto seguro, é força e expressão, é vida!

Coisa mais linda do mundo!


Assistam!!




A poesia é portanto a principal arma para educar para a sensibilidade e o altruísmo!!

Paula Belmino




Para comprar o livro:

https://www.sinopsyseditora.com.br/livros/o-que-a-gabi-e-a-flor-de-lotus-tem-em-comum-728




segunda-feira, 17 de julho de 2017

Alimentação saudável e Qualidade de Vida



Frutas, legumes
verduras com vitaminas
saúde, vitalidade
força das hortaliças.

Pra crescer saudável
pra manter o equilíbrio
pra garantir inteligência
e viver tranquilo.

Sem sobrepeso
sem doenças desse século
diabetes, pressão alta
colesterol e obesidade.

Alimentação natural
deixando pra lá industrializados
ser mais verde, 
plantar uma horta com produtos orgânicos 
viver o natural.

Reaproveitar cascas e sementes
saber o que faz bem à gente
Esse é o nosso projeto
Alimentação consciente

Para além da escola 
ter qualidade de vida
com muita riqueza que vem da terra
saber por à mesa uma refeição colorida.


Paula Belmino




E assim iniciamos nosso projeto Alimentação saudável e qualidade de vida, com a justificativa d eque as crianças da escola estão com quadros de desnutrição e muitas nunca provaram alimentos saudáveis, e se alimentam de muitos produtos industrializados. Para isso usamos o lúdico, o vivenciar, o experimentar,  já que com crianças é mais fácil conquistar com a cor, com  a imaginação. Nos apropriamos de contos, poesia e cordel para alimentar a alma e a barriga das crianças e tivemos êxito, pois as crianças puderam experimentar novas frutas e hortaliças que  tinham resistência.

 Com o livro Meu amigo Paladar de José de Castro e Antonio Francisco pela Editora Comunique  com belas ilustrações de Rodrigo Brum, iniciamos a tarefa de conquistar pelo paladar e outros sentidos como o olfato e tato, a fim de que as crianças pudesse conhecer novos sabores, despertando a curiosidade, sem nunca sair de nossa meta de aprender com significado.
Nossa aula com salada de frutas rendeu uma sequencia didática, de começar de onde os alimentos vem, o que desperdiçamos, o que pudemos reaproveitar nas cascas como por exemplo: As cascas do abacaxi para um suco, as cascas de banana para um bolo, levando em conta a preocupação com o meio ambiente, e o descarte, o lixo orgânico que pode gerar adubo de qualidade para um plantio de uma horta ou ajudar nas árvores e plantas do jardim enriquecendo o solo.



As crianças trouxeram algumas frutas e trabalhamos o gênero receita, o passo a passo da receita foi feita em sala de aula e eles anotaram, aprendendo assim que poesia e receita andam juntos, e que a escrita tem uma função seja de informar, divertir, ensinar.
Além de escrita de receitas, trabalhamos a leitura de gráficos e tabelas criados com as crianças sobre qual fruta veio mais, a preferida das crianças, dobro, dezena , e algumas situações problemas envolvendo adição e  subtração.


Outra receita citada no livro: Meu amigo Paladar que eleva a culinária potiguar e nordestina  foi o feijão verde, que as crianças puderam experimentar com bastante cheiro verde



Na área de geografia e ciências  as crianças puderam observar as partes da planta, o solo e o clima que podem influenciar na sobrevivência das espécies, quais delas precisam de mais água e mais ou menos sol, tudo com ajuda do conteúdo do livro didático que é uma boa ferramenta de estudo e leitura em sala de aula.


Além disso pudemos pesquisar os nutrientes de hortaliças como couve, repolho, e legumes usados na sala de aula para receitas como salada e caldos, tudo com experimentação, passo a passo e escrita das receitas para a confecção do caderno que intitulamos: Qual a receita da sua poesia? com arte da capa de Maria Cininha e suas Marias, obra essa que as crianças já conheciam desde o projeto Água e vida, e que puderam interferir ilustrando o cenário com muitas frutas e verde.

Trabalhamos ainda poesias de vários autores como, Sérgio Caparelli que recitei na abertura do projeto  o poema : A semana inteira e tive apoio de todas as crianças da escola num coro só envolvendo, com entonação e ritmo, e som e brincadeira, pois a palavra alimenta e surpreende, encanta e transforma.


Outros pemas usados foram os de Eloí Bocheco, tais como Ou Ou, que as crianças aprenderam e brincaram e pesquisaram os benefícios dos alimentos citados no poema  como o mel, sempre retomando os conceitos atitudinais de preservação da vida, como é o caso da manutenção das espécies de abelhas tão necessárias para a floração e preservação da natureza.

As crianças também produziram seus poemas e ilustraram os da autora, e claro depois teve sarau poético




Assistam:


E ainda teve aula passeio , com vista à horta conhecendo hortaliças que só sabiam o nome, e ainda provar em saladas enriquecendo à hora da merenda



Não esquecemos a arte de Tarsila do Amaral que já estávamos trabalhando com matemática e as formas geométricas e desa vez a releitura da obra: O vendedor de frutas, fazendo a  releitura com as crianças encenando e desenhando também.


Ainda teve muitas outras atividades, se fosse colocar aqui nem caberia, mas conto no próximo post sobre a hora de leitura com livros lindos como:
 A repolheira de Claudia Nina pela Aletria
O maior nabo do mundo de Celso Sisto também pela Aletria, 
Esses dois postarei como dica de livros.
Aguardem!!!

Paula Belmino