sábado, 16 de maio de 2009

Devaneios do Amor

Ando ao revés
No pensamento
Só você aqui dentro
Um tormento.
Em nenhum momento esqueço
Nem me arrefeço
Vou a êxtase a lembrar de você
E de sua pele branca, pálida e meiga,
Como a carne do caju
Um beijo de maçã em meu seio
E eu me transportando ao céu azul.
Ando assim...
Meio louca e abduzida
Levada pelo vento de uma saudade
Pelo sentimento de uma perda irreparável
Daquelas que se chora o leite derramado
E nunca mais se perdoa ou se refaz
Vou andando em passos leves
Suspirando pelos cantos e quintais
Sonho sempre com seus olhos de jabuticaba
E com a tua voz que me fez imortal.
Ah! Que se um dia eu te encontro
Subo ao céu em doce louvor
Deixo-te um beijo e vou agradecer ao Deus de meu amor
Que me trouxe à visão o homem que amo
Com quem vivi a vida a sonhar
Serei um anjo no paraíso, pois vi o meu motivo de pra sempre amar.

Paula Belmino

3 comentários:

Liciane disse...

Nossa, que lindo!!! Chegou doer, vontade de chorar... Muito bonito mesmo, parabéns! Bjs

Andreia disse...

Oi Paulinha! Que lindo poema, quanto amor e sensibilidade! adorei...
Parece que não conseguiu mesmo pegar o selo, que pena!
Você o pega da mesma forma que fotos,
também sou novata e por isto não sei explicar muito bem como se faz!
Bjsss e um ótimo fim de semana!!!

Edna Lima disse...

Saudade que dói demais. Abriu espaço pra este lindo poema. bjs