quarta-feira, 13 de julho de 2016

Apenas um olhar





Em minhas andanças  e olhares aguçados vi um fato que muito chamou a atenção. Nada que alguém despercebido pudesse notar, mas ultimamente, observo ao redor mais que antes, flutuo nas nuvens, me perco em pensamentos e me demoro no quintal, ganho  tempo e liberdade a observar com os pássaros, detenho-me a olhar formigas, brinco com as flores e com o vento me balanço ao lado delas. Passo horas a parafrasear borboletas dentro de mim.
Ultimamente ando  pela rua a olhar as casas e suas cores, me aninho nas árvores que dão a elas a doce sombra e faço canção com andorinhas e pardais. Posso quase sentir o canto deles em meus lábios.
Nesse olhar atento ora breve, ora demorado,  vi uma senhora já idosa com olhar a esmo, o rosto enrugado de olhos fundos e tristes, a guardar um pedaço de seu tempo sobre uma pequena árvore na calçada.  Talvez se eu tivesse tido o tempo de olhar bem dentro dos olhos que vi tristes, pudesse enxergar histórias, sonhos, lutas e vitórias e a grande experiência que viveu. Talvez ali num momento depositado a cuidar da planta de seu jardim existisse cumplicidade, prazer, paz enfim...
Estava a senhorinha envolta da caixa de madeira que protegia a pequena árvore de animais ou de quem a pudesse machucar. Notei ali mesmo na hora , opostos atraídos, talvez iguais, se bem apurado o pensamento e a visão: Uma muda de árvore cheia de vigor e vontade de viver, crescer , frutificar E  uma mulher que tanto viveu, deu frutos.O tempo ali a desfiar nas mãos enrugadas. As duas com diferença de tempo, mas o mesmo desejo de vida.
A mão da senhora adentrava a pequena muda a fazer um carinho nas folhas, certamente apenas espantasse uma formiga, ou colhesse uma joaninha, ou quem sabe era a pequena árvore que  acarinhava a mão suave e calejada da senhora que lhe plantou. Mão calejada da lida, da vida dura e tão cheias de coisas a contar.
Foi apenas um segundo, enquanto eu de moto passava por ali, mas guardei na memória e no coração o olhar, a árvore a se enamorar da mão que lhe alimentava com afeto, os olhos dela bem abertos a dispor de um tempo ainda que em sua velhice para cuidar de um ser cheio de vida que tanto bem nos faz. Dois seres afinal diferentes na envoltura e no mesmo sentido iguais.Uma senhora coma vida ganha, uma árvore que cresce a ser feliz, mãos e folhas que se abrem ao mundo para trazer paz e vida.
Os olhos de amor eu vi e me perdi, não sei se na mão de carinho ou nas folhas cheias de hálito de bondade.Me perdi numa visão que ando querendo me achar...
Olhar a natureza e as pessoas com mais tempo para delas o melhor me inteirar.

Paula Belmino 









Uma muda de árvore nativa, uma senhora idosa e um olhar , uma terna troca de carinho e a vida se fez mais bonita!
Apenas um olhar e um segundo de tempo se torna eterno na memória e na alma.
São pequenas as coisas que transmitem paz e se tornam grande dentro da gente quando nos despimos das ocupações vãs para adentrar o mundo dos sonhos, da natureza e da poesia.
Esse conto é real e uma lição ilustrada pelas imagens da Alice em nosso ensaio com Bugbee e Pé com Pé Calçados Infantis para ilustrar este momento terno e real que vivi.

Paula Belmino

6 comentários:

Eloí Bocheco disse...

Linda crônica, querida Paula! Um registro poético de um instante de beleza e amor. Precisamos tanto deste olhar sutil para as coisas simples e verdadeiras. Andamos tão distanciados das verdades essenciais de nosso SER. Sua alma de poeta captou lindamente a cena cotidiana. Obrigada por dar forma, em palavras, a um instante de pura vida, vida, vida. Beijão

Arlete Mourige disse...

Lindo texto !Oque falta é um olhar mais atento para pequenas coisa e para o mundo.Bjs

Renata disse...

Uma beleza de conto, sem pressa, com muita calma e graça. Como é bom saber viver em paz, mesmo quando tudo ao redor parece enlouquecer. Ainda bem que a poesia tem este poder calmante. Ficou linda, a poesia e as fotos! Beijo! Renata e Laura

Mimirabolante disse...

Lindo !!!
E Alice , como sempre,bastante expressiva !!!
Beijocas

Kunti/Elza Ghetti Zerbatto disse...

Um lindo olhar tão bem descrito!
Parabéns a ti e Alice!
abração com carinho

Toninho disse...

Uma linda maneira de encantar e criar imagens.
A folha que acaricia ou é acariciada, lindo tudo.
Ter a sensibilidade de ver as coisas belas e simples.
Muito bonito Paula as fotos de Alice contando a historia estão belas.
Meu abraço