segunda-feira, 18 de abril de 2016

Dia Nacional do Livro Infantil




Um dia comemorativo ao livro infantil em homenagem a Monteiro Lobato, escritor brasileiro que se dedicou a escrever para crianças num tempo em que elas  não eram consideradas sujeitos de sua própria história. 
Monteiro Lobato em suas frases disse de seu desejo de escrever livros em que as crianças morassem neles, e creio que o realizou na sua maior e mais conhecida obra : o sítio do Pica-pau amarelo com seus personagens fantásticos e que gera amor e polêmicas quando trata de preconceito com pessoas negras, num tempo em que a diversidade era ainda mal comentada e discutida, onde reinava o maior sobre o menor, o que sabe mais, e a inclusão nem existia,e se ver impregnado talvez de modo a crítico à mercê da interpretação d ecada um como nos personagens Burro, que de burro não tinha nada, era muito inteligente e na personagem da tia Anastácia que por ser negra vive apenas na cozinha.Não seria no entanto as fábulas de Lobato sensíveis a se pensar nessa predileção  de modo a fazer as pessoas da época rever conceitos e ideias?
Mas não quero aqui levantar nenhuma discussão ou questionamento e só citei aqui após ler alguns textos que vagam em outras concepções sobre o autor, meu foco pelo contrário é dizer da grande paixão pelos livros em  que eu vivi, falar das doces aventuras através dos livros de Lobato que vivenciei, e que ainda mais virtuosos se tornaram com a televisão colocando em pauta, e que eu sempre queria ser a narizinho ou a Emília nas brincadeiras com as amigas e por sinal era apaixonada pelo pedrinho lindo da primeira fase da Tv Tupi, acho. Lembro bem de minhas visitas á biblioteca de nossa cidade, os livros numa esteira de palha e as coletâneas do autor em prateleiras bem limpas e arrumadas, um cheiro de magia e encantamento, livros que traziam lendas, costumes, brincadeiras e avó que gostava de contar história, boneca Emília que falava pelos cotovelos, um sabugo de milho muito inteligente e que viajava nos livros por lugares distantes. Era um sonho ler a obra de Monteiro Lobato e conceber ideias novas, argumentos, desenvolver o repertório e atrever-se a imitar Narizinho e Emília pelos passeios ao sítio.
Hoje sou mãe e nunca esqueço das lindas histórias e apresento a Alice assim como posso cada personagem e história, bem como aos meus alunos que também são apaixonados pelo sítio e sua turma.
O dia nacional do livro ganhou um marco para se lembrar desse belo escrito, mas o lema do autor quando diz fazer livros moradias, e que seja assim todo dia, rotina, hábito, mais que ler apenas uma vez, mas ler, reler, ver , atrever-se, pensar, repensar interpretar o que leu e começar outra vez, brincar com o livro, morar nele em asas, liberdade, casa e coração, tendo a oportunidade de apresentar nossa história, cultura, as boas práticas, um reino de multidão de ideias aos pequenos, amigos, crianças de toda parte. Livros que marquem e que possam mudar a realidade.

Alguns lindos livros que li e ainda recordo o cheiro, a aventura, o suspense, a alegria





E alguns trabalhos em sala de aula com minhas crianças







Uma poesia minha para homenagear a data e essa obra fabulosa de Monteiro Lobato:


Sítio do Pica-pau Amarelo
São doces os bolinhos da Tia Anastácia
Dá medo as sapequices do saci
A cuca quer pegar Narizinho
E vive enfeitiçando o Pedrinho.
No sítio do pica-pau amarelo
Todo dia é dia de fazer o bem.
Numa viagem ao reino das águas claras
Emília quer ser nobre também.
Pra conhecer o príncipe escamado
Narizinho vira rainha
Emília marquesa
Que boneca mais danadinha!
Casa com o leitão rabicó
boneca espoleta
Depois que tomou vida
Vive numa alegria só.
No sítio do Pica-pau amarelo
Dona Benta conta suas histórias
Encanta os netos
cantando e sorrindo
Vive de glória em glória.
O burro inteligente
Lê sem demora
Contos, cantigas ou versos.
Lá no sítio encantado
Das invensões que Visconde descobre nele
Tudo passa a ser fantástico.
Sitio do Pica-pau amarelo
Aventura e Crianças
Livro cheio de histórias mágicas
Que faz o mundo ser doce feito caramelo
e ter a  cor da esperança.
Paula Belmino




5 comentários:

Felisberto N. Junior disse...

Olá,Paula...a data escolhida para o Dia Nacional do Livro Infantil foi mesmo uma justa homenagem a Monteiro Lobato, maior nome da Literatura Infantil e um dos maiores nomes da Literatura brasileira, também,acredito nessa hipótese, - pessoas da época rever conceitos e ideias-... todos sabemos que é extremamente importante adquirir o hábito da leitura desde criança e fazer dos livros moradias, mas a grande dificuldade reside em como inseri-la, se os próprios adultos não tem esse hábito. A SUA lista elaborada - que leu -está bem representada e o poema /homenagem está bem lúdica e divertida e belas fotos com as suas crianças...Obrigado pelo carinho da visita, belos dias,beijos!

LUCONI MARCIA MARIA disse...

Paula que postagem linda e deliciosa, eu recordei-me de minha infancia e da dos meus filhos, nossa Monteiro Lobato foi marcante, querida obrigada por ter ido lá no blog, ando meia afastada e sem vontade mas estou reagindo e pessoas como você que não me abandonam me dão muita força, bjos Luconi

Ana Paula disse...

Que linda ficou sua homenagem aos livros infantis!
Com Monteiro, as crianças encenando as personagens do sítio, tua poesia e a foto com Alice está incrível!
Também acho que a obra de Monteiro pode no contexto atual servir para falar de tantas conquistas, do preconceito, de tempos diferentes e difíceis que não devem voltar jamais.
Beijo!

Maria Rosa Sonhos disse...

Que Emília mais linda nesta homenagem! Beijo! Renata e Laura

Toninho disse...

Adorei a nossa Emilia Paula.
Sua poesia é bela e bem inspirada e faz jus a homenagem ao grande Monteiro Lobato, que embalou nossas fantasias e continua encantando até hoje.
Bonito Paula.