sábado, 2 de abril de 2016

O começo e meus 41 anos





Lá se vai beirando a estrada, a doce menina que outrora corria e bradava aos quatro ventos um amor louco e juvenil, sonhando acordada, entrelaçando fantasia e sonho, desejos e estranhezas, ora brincando com as flores da estrada, ora querendo voar sob as nuvens numa paixão entorpecente.
Era abril...
Um amor cego, um olhar doce, um encontro de almas que se amaram plenamente, enlouquecido amor, feito pássaro a beijar uma flor, e freneticamente como a chuva que molha a terra sedenta.
Uma paixão pulsante, um desejo incontido, uma sede que nenhuma tempestade saciava, nem centenas de palavras poderiam descrever...
Era um marco de sua passagem, o comemorar de sua juventude, a moça pela estrada, vagando em busca de um sonho: o amor, e o pássaro encantado a deslizar poesias nas mãos e na boca macia o beijo de mel.
Era o céu.
O encontro deu-se assim, moça e anjo, pássaro e árvore, néctar e flor, sensações infinitas,meio sutileza, meio maldade, mais desejo e submissão que solidariedade, anseios de um coração que ditava a sorte em versos escritos nas paredes e na areia por onde varria o chão com suas lágrimas, de ardente desejo, de sonegação, de solidão.
Um encontro ás cegas, mas sob à luz de um sentimento vasto, que arrasou os dois incompreendidos corações,
E derreteu-se manhã e noite a sós ,a fusão de alma e corpos  ao som da música no rádio e sob a luz da lua na janela, de uma cidade esquecida, feita só para eles... Viveram dias entre lençóis... Corpos, almas e um fim de caminho... Seria assim como um fim de capítulo de um romance? Final feliz, para sempre?
Era a verdade escrita no corpo e tatuada na alma com brasa, pra nada e nem água alguma limpar, nem remédio cura, sombra nenhuma apagar... Era amor e paixão, ora benevolente, ora doente, ora sonho e magia, pouco depois fantasia...E o destino cansado de tanto furor findou... Não cabiam neles tanto amor.
Era abril...O início de tudo
E agora na estrada solitária ela não sabe mais em que mês adormeceu, se perdeu, definhou o anjo, o pássaro...
O amor.


Paula Belmino

Será que nos meus 41 anos amadureci? Poder-se-ia esquecer um amor?


4 comentários:

✿ chica disse...

Que linda foto, lindo texto! PARABÉNS,FELICIDADES! Feliz niver! bjs, chica

Ana Paula disse...

Hoje é seu dia! Feliz aniversário Paula!
tem homenagem para você lá no blog!
Beijo.

Maria Rosa Sonhos disse...

Nossos parabéns, Paula! Felicidades pelo seu aniversário! Texto e foto linda! Beijo! Renata e Laura

Filha de José disse...

Felicidades!