quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Educação: Direito de Todos!




Estou participando de um curso sobre inclusão pela UFRN auqi na cidade e comecei a especializaçãoe m Psicopedagogia, estudando cada vez mais sobre as pessoas com deficiência e me conscientizando cada vez mais e me colocando no lugar dessas de repente numa busca em estudo me achei em uma poesia que fiz há algum tempo e foi usada por um grupo de escolas de Portugal em seu jornal circular, que trás as atividades produzidas pelas professoras e crianças. Fiquei muito feliz e venho compartilhar com vocês afinal não é todo dia que se tem uma poesia lida num outro país.Pra mim é uma honra!

Para ler clique na imagem. Ou visite http://issuu.com/aemfp/docs/jornal__especial_2p

A Educação inclusiva vem cada vez mais sendo discutida e aceita nas instituições de ensino como um direito da criança estudar e se socializar com outras crianças na escola regular de ensino , mas é no entanto uma experiência desafiadora que deve e precisa ser aceita por toda escola, já que  uma escola para todos insere-se numa perspectiva voltada para o respeito ás diferenças e valoriza a igualdade dos direitos e valoriza a diversidade humana. Ao incluir uma pessoa com deficiência na escola, essa também se torna um ambiente propício para a aprendizagem em grupo, no coletivo, onde cada criança interage com as demais e compartilham e constroem o conhecimento , uma vez que todas são diferentes entre si sejam essas com deficiência ou não, pois a escola deve ser um lugar onde o respeito e a solidariedade deve ser treinada e posto á prova constantemente na formação de indivíduos  que aprendem a conviver uns com os outros e a respeitar as diferenças.

Ainda há entre os profissionais da educação o medo do fracasso, de  não saber trabalhar com a criança com deficiência, do lidar com a criança que aprende diferente, de que é necessário experimentar e criar situações problemas e metodologias novas para alcançar uma aprendizagem significativa e eficaz, uma vez que educar não tem receita pronta e nem há fórmulas e nem manuais de ensino iguais para todos os seres humanos visto que todos nós somos diferentes. A partir desta tomada de consciência a escola precisa atender a necessidades educacionais dos alunos com deficiência e isso só será possível se juntos gestores, professores e toda comunidade escolar possam andar de mãos dadas , pois educação é isto, voltar-se para o outro, mostrar alteridade, é ser capaz de apreender no outro o estado de dignidade e solidariedade, é aprender em grupo  compartilhando ideias e atitudes.Para isso é preciso estar consciente de que ainda estamos engatinhando nas políticas públicas para o efetivo exercício da cidadania e da inclusão, e que ainda há barreiras que impedem a eficaz acolhida das crianças com deficiência na escola e para que não se sintam apenas alunos presentes de corpo, mas que  sejam recebidos e envolvidos no processo de ensino. Para uma real inclusão é necessária a derrubada das barreiras  físicas fazendo as devidas adaptações e ofertando as condições possíveis para a locomoção da criança com deficiência física  bem como  providências á nível pedagógico que melhorem a participação e a comunicação do educando em atividades escolares comuns a todos os alunos, sem distinção, afim de que o objetivo da inclusão e da aprendizagem seja obtido, desde os materiais didático-pedagógicos á maneira de olhar  do educador e do corpo docente e da escola, promovendo a efetiva aprendizagem e o desenvolvimento pleno da criança.

A inclusão do aluno com deficiência física na escola é portanto direito da criança, um desafio constante para o professor que deve ter formação continuada, planejamento adequado com equipamentos que auxiliem a realização das atividades escolares para garantir a inserção de todas as crianças durante a execução dessas  atividades sem favoritismo ou  a segregação. Para a escola o apoio aos pais dessas crianças é muito importante , pois os mesmos sentem medo de que a criança se machuque, de que sejam discriminada ou haja preconceito e é através desse apoio e  das atividades lúdicas  e do engajamento de toda comunidade escolar para romper esse paradigma. é preciso haver condições para receber essas crianças na escola, quanto menos limites físicos e morais, mais aprendizagem, solidariedade, companheirismo e a efetiva inclusão.

Incluir é mais que aceitar, é se por no lugar do outro  e ajudar, é ser competente a amar de dentro para fora, é ver o outro com possibilidade para aprender e não somente uma cadeira de rodas, um obstáculo, a falta de um membro, a deficiência em si. Incluir é ser membro de uma sociedade acolhedora e cidadã que exerce o dever de  respeitar e apoiar, amar e saber que todos nós somos diferentes, singulares, mas únicos no que se diz á direito a Educação para todos.

Paula Belmino

6 comentários:

✿ chica disse...

Que bom que estás cada vez mais te atualizando e estudando esse tema. parabéns e em Portugal? Coisa boa! Tomara tu também possas ir lá,rs bjs, chica

Bolhinhas de Sabão para Maria disse...

Parabéns Paula! É fruto do seu esforço e dedicação! linda poesia! Você merece e vai longe!

Beijos no coração!

Tina Bau Couto disse...

Muito legal a publicação de seu poetar além mar
É para se sentir honrada mesmo e feliz

Quanto a inclusão é sim muito, muito, muito mais que aceitar
Parabéns pelo trabalho de conscientização e ações

Ana Paula disse...

Paula, que novidade excelente!
Conhecer, aprender é a melhor maneira para fazer a verdadeira inclusão. Parabéns pelo seu empenho e também pelo poema!
Lindos frutos você colherá, certamente.
beijo.

Edna Lima disse...

Ser professora é isto.
Apesar das dificuldades que se tem em nosso país tem sempre alguém superando.
Parabéns. Sucesso. Edna Campos

Maria Rosa Sonhos disse...

Parabéns pela poesia que criou asas e voou longe, linda! Estou conhecendo um pouco da inclusão através do meu curso, assunto vasto, novo, desafiador mesmo. Beijo! Renata e Laura