segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Sapo Julião






Cansado de tanto pular
O sapinho busca água
Busca onde se esconder
Quer  um lugar pra se refrescar!

No calor só a sombra do catingueiro
O sertão a fumegar
Julião quase desfalece o dia inteiro
E de carona vai pra cidade passear.

Pula ali, pula aqui
Vai de calçada a jardim
Em busca de felicidade.
Julião só precisa de um cantinho!

Quer comer moscas 
Quer insetos provar
De flor em flor a namorar
Um pouco de água pra sede matar.

Ah! pobre Julião
O brejo ressecou-se
A lagoa não existe mais
A água ali já se foi.

Falta chuva no sertão
Nem cantar pode mais o probre Julião.
Quer brincar, quer coaxar
Quer  no riacho ao fim da tarde nadar.

Vive sedento de água fria.
E eis a ideia se disfarça de pedra
E no vaso de planta se enfia.

Fica no jardim da menina Alice
Ali disfarçado entre as folhas de comigo-ninguém-pode
Aproveitando a água que rega a planta pra sobreviver
Vai esperando o inverno
E com a menina a brincar de  poesia
Anseia que volte a chover.


Paula Belmino

Poesia bem real, aconteceu aqui no nosso jardim, e eu que tenho fobia de sapos quase morria se não fosse o primo Milton pra tirar do vaso, coitado. E pra me redimir e pedir desculpas, crio essa poesia aqui. E eu que  nunca imaginei que faria um poema com sapos,!
Pra ilustrar a foto do meu sobrinho neto Bernardo lindo, usando roupinha de estampa de sapo, ou vocês acreditavam que eu tinha coragem de colocar um sapo de verdade aqui? Hehehehe

7 comentários:

Silvanio Alves disse...

Belo e inspirado poema de redenção ao medo de sapos, poetisa! Lindo demais!

✿ chica disse...

Que amor o sapinho, Bernardo e a tua poesia!Valeu! bjs, chica

Zezinha Lins disse...

Agradeço a visita e o comentário no meu blog, querida! Seu espaço muito fofo como sempre! Gostei muito do sapinho! Beijos!

Juliana Pelizzari Rossini disse...

O sobrinho Bernado de sapinho ficou muito lindinho... Linda poesia de sapo.
Eu tenho aflição por sapo... No sítio da minha avó aparecia um monte...rs
Ficavam embaixo do tanque de lavar roupas...rs

Bjs
Ju

Bolhinhas de Sabão para Maria disse...

Amiga, eles são tão inofensivos.. tadinhos...Eles ficam mais com medo da gente do que a gente deles rs
Adorei a história e o fofo do Bernardo.. Linda roupinha!

Beijos grandões!

Tê e Maria ♥

Toninho disse...

Pois é conheço muita gente que ojeriza pelos sapinhos.
Assim com o olhar na seca que assola uma bela poesia.
O sapinho Bernardo agora ganha o mundo com sua bela historinha/poesia.
Abraços amiga.
Bju de paz.

Kunti/Elza Ghetti Zerbatto disse...

Muito legal a estória e poesia.
Parabéns!