domingo, 9 de agosto de 2009

Amarras




Nó na garganta
Suspiro dobrado
Ai meu amor e pecado!
Minha lembrança nua
Escrava é minha alma
Já perco a calma
Quero um cavalo de vento
Que me leve até você
Quero poder te sentir
Poder te beijar
Poder te abraçar
E encostada em seu peito ficar!
Nó na garganta
Gosto magoado
Teu rosto em meu seio guardado!
Solidão em noite de frio
Marasmo em dias de calor
Ai onde anda você meu amor?
Nó...
Fios...
Teias na minha mente
Emaranhando minha memória
Ai meu amor...
Minha doce e linda história!

Paula Belmino

6 comentários:

Blog do Franco disse...

Inspiração a flor da pele.


ImAginei cada palavra com leveza que a poesia remete.

BEIJUS

Edna Lima disse...

Nossa saudades dos amores são também lembranças de doces momentos. bjs

*Adriana* disse...

Amarras que talvez somente o tempo irá soltar. Esperar é preciso. Esquecer é necessário para seguir em frente.

bjs e boa semana

Liciane disse...

Muito lindo! Como sempre!!!

Bjss

Nádia Mara disse...

Uma linda e doce segunda-feira para você.
beijos

Chica disse...

Lindas amarras que te saem do coração...beijos,chica