segunda-feira, 9 de setembro de 2019

A Menina Que sabe Chover Nas Escolas






A poesia é uma amiga
que anda com a gente
de braços dados.
E ao passear conosco
nos leva a caminhos inimagináveis.
A poesia é uma menina de laço no cabelo
esvoaçado pelo vento
leve, livre,
de vestido rodado a brincar.
A poesia nos aponta direções e 
numa aventura nos faz voar no espaço
para ser sol, lua,estrela, constelação,
o que desejar o coração.
A poesia é uma menina risonha
a tomar banho de chuva
e contar histórias de tempos passados
refazendo o agora.
Cuida da terra e da natureza
e refaz a humanidade.
A poesia é esta menina
que sonha com a gente 
um mundo melhor,
mais humano,
e mais feliz!

Paula Belmino

Meu sonho é poder alcançar as crianças,  garantindo o direito delas de ter acesso aos livros.
Quando escrevi meu livro A Menina Que sabe Chover sonhei e sonho que o livro pudesse alcançar as escolas, que os professores pudessem ler para cada uma delas que por vezes não podem comprar um livro, e mais que pais e responsáveis pudessem ter acesso a este mundo da menina que chove poesia.



Faz apenas 4 meses que meu livro foi lançado e tem chegado em escolas do RN e nas casas de outros lugares que minha mene não podia imaginar. É verdade que poesia é voar fora da asa como disse Manoel de Barros e que os poemas são pássaros que voem, como Quintana poetizou , agora onde não posso ler para uma criança há um livro na mão delas.

E se você pensa como eu e tem filhos, netos, sobrinhos e quer me ajudar a divulgar e sonhar comigo adote uma criança uma biblioteca e faça chover poesia com esta menina que sabe chover.
Adquira meu livro no site da Editora Inverso ou nos sites abaixo , e se preferir autografado envio mediante depósito, com frete único para todo Brasil entre em contato: belmino.paula@gmail.com


Esta é minha participação no Poetizando e  Encantando com a Lourdes que aproveito para enche de poesia e convidar os amigos a sonhar comigo. Escolhi a imagem de duas amigas de braços dados e enlevadas por flores, luz, poesia, laços para dizer que um sonho sonhado por muitas pessoas se transforma em realidade.



Alguns momentos e sonhos do livro ganhando vida em escolas:



                                 No desfile cívico da Escola Arnaldo Monteiro Bezerra em Natal RN





Sala de Leitura Escola Adalgisa Amorim Bezerra 








Escola Mun Antônio Basílio Parnamirim RN




Escola Francisco Jerônimo de Medeiros Lagoa Nova




                                       Escola Nossa Senhora da Conceição. Zona Rural Lagoa NOva




Escola Sebastiana Noga. Cerro Cora RN



Escola Cicero Romão de Sousa. Lagoa Nova RN

Essas são apenas alguns registros de meu livro sendo lido nas escolas com trabalhos maravilhosos feito pelos professores, e eu espero que mais professores , mediadores de leitura possam ter esta missão de levar mais leitura para cada uma delas.


Adote um leitor! Adquira meu livro no site da Editora Inverso ou nos sites abaixo , e se preferir autografado envio mediante depósito, com frete único para todo Brasil por apenas R$ 45 reais, entre em contato: belmino.paula@gmail.com



https://www.editorainverso.com.br/pagina-de-produto/a-menina-que-sabe-chover

Amazon

https://www.amazon.com.br/Menina-que-Sabe-Chover/dp/8555401666

Americanas

https://www.americanas.com.br/produto/63127026

ShopTime

https://www.shoptime.com.br/produto/63127026

Extra

https://www.extra.com.br/livros/literaturainfantojuvenil/juvenil/livro-a-menina-que-sabe-chover-15373625.html

Mais:








domingo, 8 de setembro de 2019

O Vestido de Bolinhas da Maria Percevejo



Maria percevejo
foi sua prima encontrar
à sombra da goiabeira
toda arrumada para passear
esperou na porta
a prima lhe receber
Maria Fedida estava lá dentro
sem saber o que fazer.
enfeitando-se toda
para arrumar um casamento
mas qual roupa serviria
para aquele belo momento?
E indecisa com o que vestir
pediu ajuda à percevejo Maria.
Maria percevejo
que é de moda entendida
logo se pôs a ajudar
Fez para Maria Fedida uma saia igual a dela
e uma blusinha de Poá
e agora Maria Fedida desfila
embaixo da goiabeira
o amor a procurar,
toda bela e faceira
com certeza, um marido vai achar.
Já a Maria percevejo
continua na janela da sua casa
à espera de um besourinho
Todo pintado de bolinhas,
Como  é o seu vestido.
Espera com paciência
um besouro divertido
para com ela família formar
e todos os besourinhos
vestidos de bolinhas,
felizes os percevejinhos
brincarão entre as flores do cajueiro
e juntos,
a família percevejos  bolinhas
o amor vai desfrutar.




Paula Belmino



Encontrei o besourinho hoje na porta da casa fui pesquisar sobre ele e criei esse poema com inspiração nesta espécie
Pachycoris torridus A espécie é Pachycoris torridus (Pachycorinae), conhecido como percevejo-do-pinhão-bravo, único percevejo de importância econômica, atacando culturas como cajueiro, goiabeira, laranjeira, mangueira, pinhão e sobretudo a aceroleira. Os padrões de cores e manchas podem variar muito e eles demonstram cuidado maternal.



domingo, 1 de setembro de 2019

A vida no abraço



O abraço,
um apertado laço
o afago
em que me faço,
onde a paz eu acho
dentro de um simples abraço.


Num abraço 
abro os braços
o medo desfaço
o corpo e a alma refaço,
não mais os pedaços,
sou completa
dentro de um  abraço


Os nós da vida
desato,
dentro de mim 
não sou nunca, fracasso,
num abraço
sou livre no espaço.


Dados os braços,
as mãos ao regalo,
alma desfaz-se do cansaço
laço por laço,
passo por passo,
a vida cabe toda
dentro de um abraço.

Paula Belmino


Este é meu poema inspiração para o 95ª edição da Blogagem Coletiva Poetizando e  Encantando com a Lourdes no Blog Filosofando na  Vida
escolhi a imagem do abraço que em todo tempo nos refaz e nos cura, nos faz encontrar o outro e a nós mesmos!



domingo, 25 de agosto de 2019

25 de Agosto dia do Soldado



Serve à pátria 

Luta pelo bem

Sonha igualdade à todos 
Como rege a lei.



Sem medir esforços

O bem antevê

Pratica a cidadania 
para a paz manter.



Soldado sempre pronto 

com amor na missão 

Cumprir sempre com zelo
dar sua vida pela nação.



Disciplina e postura
Justiça e cidadania 

Soldado em combate 
A toda distopia.



Ama a bandeira
Em sua alma mora o país 

Seu trabalho é propósito 
de ver seu povo feliz.



Soldado em batalha
Nunca perde a guerra

Amar o Brasil 
Na fé que nunca se encerra.


Paula Belmino





Homenagem a todos os soldados, e aos bravos Policiais do Projeto Polícia Mirim que tem por objetivo educar as crianças para um futuro melhor!

O Dia do Soldado é uma data comemorativa brasileira cujo dia é 25 de agosto. A data homenageia o dia do nascimento de Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, no dia 25 de agosto de 1803, patrono do Exército Brasileiro tornou-se conhecido como "o pacificador" após sufocar muitas rebeliões contra o Império.



domingo, 11 de agosto de 2019

30 Minutos de Conversa com Rogério Villar




Esta semana participei de uma entrevista para o Programa "30 Minutos de Conversa " Com Rogério Villar  e pude falar um pouco sobre o meu trabalho com a poesia e incentivo á leitura e mostrar meu trabalho como escritora em alguns livros publicados e sobre o mais recente: A Menina Que sabe Chover com ilustrações de Francisco Dam pela Editora InVerso
Vejam:





Para os interessados em adquirir meu livro está á venda em alguns sites vou deixar os links aqui:

Editora InVerso

https://www.editorainverso.com.br/pagina-de-produto/a-menina-que-sabe-chover

Americanas

https://www.americanas.com.br/produto/63127026

Extra

https://www.extra.com.br/livros/literaturainfantojuvenil/juvenil/livro-a-menina-que-sabe-chover-15373625.html

Amazon

https://www.amazon.com.br/Menina-que-Sabe-Chover/dp/8555401666

E se preferir entre em contato que faço via correios mediante depósito

belmino.paula@gmail.com



Falta Um Pai






Não é que nos falte o Pai
Ele está ali,
no amor  sempre presente
buliçoso e visceral
abrindo o sorriso,
estampado no rosto,
no fundo dos olhos a atrair
em busca de retribuição,
E àquele que nos acenda a esperança
do amor por toda a vida.
Não nos falta o amor,
falta, no entanto o Pai,
não a figura masculina,
mas a presença humana.
Falta o afeto, o tocar de mãos,
o olhar na mesma direção,
o canto na voz 
nos chamando de filho.



Falta o abraço,
Falta o aconchego, o colo.
Falta o aperto de mão.
Não nos falta o pai.
ele está sempre vivo no sonho,
no desejo de ser chamado,
a ecoar pelos cantos
de nossa boca e coração:
PAI, PAI, PAI...

Não nos faltou o Pai
faltou apenas a cumplicidade
ainda na infância,
o carregar no ombro
o andar lado a lado.
E só agora ao fim desta poesia entendemos,
as rugas nos ensinaram;
as mãos calejadas não puderam afetuar
fazer um carinho, um cafuné.
Não nos faltou um pai
Faltou o abraço e toda poesia de saber ser:
Pai Amor!

Paula Belmino





Que nunca falte amor entre pai e filho, e nunca a mão afetuosa, o olhar no olho. o que me faltou.
Ai pai da Alice desejo que seja sempre amigo e companheiro, assim como a todos os pais.
Fotos de Camilla Bandeira