terça-feira, 9 de junho de 2009

Carência



Quero voltar aos braços de minha mãe
E me tornar criança
Quero de volta a minha infância
E à pureza do coração
Ando muito solitária
Quero uma grande família pra abraçar
Quero que minha filha viva com os primos
Quero um balanço de rede e um banho de mar
Quero voltar ao sertão
Dançar na noite ao som da viola
Quero subir no pé de castanholas
E de lá cantar com os pássaros
E com eles livre estar
Quero respirar puro ar
E mostrar à minha filha as belezas que há lá
Conversar nas calçadas
Sem ter medo de ladrão
Rir a toa
Oh! Vida boa!
Quero voltar ao meu mundo
O lugar em que me perdi
Quero me achar
Voltar aos braços de minha mãe e irmãos
O aconchego que preciso encontrar!

Paula Belmino


*fotos minha , alice, minha irmã Andréia e meu sobrinho Amós e minha tia Marisa, no início desse ano quando estive no interior do RN

5 comentários:

Sandra disse...

Familia é algo tão precioso, que sempre dá saudades.
Passe em sinal de Liberedade. tem selo para vc.
Bjs
Sandra

Anne Lieri disse...

Paula,nada como colo de mãe,bate papo com irmã,almoço em família com aquela bagunça na cozinha...lindas lembranças em sua poesia!Bjs,

Anônimo disse...

Que lindo Poema Paula...me fez recordar a infancia e de sensações tão boas......Bjsssssss...Meire

Lice Soares disse...

Que lindo é "ver o mundo com os olhos da alma". Gostei daqui. Vim por conta do título: Poesia do Bem.
E me encantei com o teu espaço. Parabéns.
Gostaria muito de receber a tua visita. Um grande abraço.
http://otelicesoares.blogspot.com

Rose Tunala disse...

Laços de família... Tudo de bom.

Sempre encontramos boas energias por aqui.

Beijinhos, Paulinha.